Você precisa assistir “The Royals”, a primeira série ficcional do E!

images (4)

OK, chegou o momento que eu tanto esperava: a hora do post sobre meu mais novo vício, The Royals. Primeiramente, preciso justificar o motivo de não ter postado nada sobre a série aqui no blog até agora. Bem, tenho uma razão justa: eu queria ter certeza de que a série é realmente boa (ou não) para recomendá-la. Confesso que a minha primeira impressão não foi das melhores, achei o primeiro episódio fraco, com atuações frágeis e um roteiro nada denso. O que me convenceu a assistir o segundo episódio? Na verdade, não foi o que me convenceu, e sim quem me convenceu. Acontece que a série foi criada por Mark Schwahn, a mente por trás de One Tree Hill, uma das melhores séries de todos os tempos. Então, por conta disso, resolvi dar mais uma chance. E não, não me arrependi de nada.

liam chora

The Royals é a história de uma família real inglesa fictícia, formada pela Rainha Helena, seu marido e seus três filhos: o primogênito Robert e os gêmeos Liam e Eleanor. Helena é uma mulher de personalidade forte, que faz de tudo para manter a imagem da família e esconde alguns segredos. Ela é capaz de qualquer coisa para defender seu reinado e precisará lutar de várias formas para impedir o marido de levar adiante um plano de abolir a monarquia. Esta ideia surge quando Robert, o herdeiro do trono, é morto durante uma guerra, o que abala toda a família – menos Helena.

helena

Com a morte de Robert, cabe a Liam, o segundo na linha de sucessão, se preparar para assumir o reinado no futuro. Este fato não alegra Helena, que via em Robert o rei perfeito, mas a faz se sentir aliviada, uma vez que a situação poderia ser pior: o próximo na linha se sucessão poderia ser Eleanor. Irônica, extravagante e muito festeira, a princesa é figurinha carimbada nos tablóides, protagonizando um escândalo atrás do outro. Viciada em drogas, Eleanor se apoia nelas para esquecer a indiferença com que sua mãe a trata e a morte do irmão.

eleanor

A vida de Eleanor se torna ainda mais difícil ao conhecer seu mais novo segurança particular, o misterioso americano Jasper, com todo o seu ar de Chuck Bass. Ela acaba se envolvendo com ele e fica nas mãos do cara ao saber que ele fez nada mais nada menos que uma sex tape. É aí que o jogo de chantagem entre os dois começa e, incrivelmente, uma relação estranha que vai te fazer torcer pelo casal também.

No entanto, o casal principal da série é formado pelo príncipe Liam e pela filha do chefe de segurança da família real, Ophelia (não, não tinha nome melhor para colocar na criatura) me desculpe se seu nome é Ofélia. Recém-chegada dos Estados Unidos, Ophelia conquista o coração de Liam e ganha a pior das inimigas: a Rainha Helena, que não gosta nem um pouco do namoro dos dois. Ela vai fazer de tudo para separá-los, inclusive dar uma forcinha para a ex namorada de Liam, Gemma, que resolve procurá-lo depois de ter abandonado o príncipe por oito meses, assim que soube que ele seria o próximo Rei. (Você provavelmente vai reconhecer o William Moseley, o ator por trás do papel de Liam. Ele é o Peter de As Crônicas de Nárnia)

Não seria uma história sobre a realeza se não tivesse duas princesas, digamos, irreverentes. Você vai dar boas risadas com as filhas de Cyrus, o irmão do Rei Simon, que sonha em assumir o posto do irmão e fará de tudo para conseguir o que quer.

sisters

Uma das melhores coisas sobre The Royals é a trilha sonora. Logo no primeiro episódio, garanto que você não vai conseguir parar de chorar quando All I Want, da Kodaline, começar a tocar. Alô A Culpa é das Estrelas! Considerada a sucessora de Gossip Girl, por ter um elenco principal jovem, pelos personagens vestirem as melhores grifes da Inglaterra e por viverem em um ambiente de luxo, a série parece ser promissora.

Ainda não existe previsão para a data de estreia da série aqui no Brasil. liam sério

Resenha: “Geek Girl” – Holly Smale

34753522637Esta é mais uma resenha da série de livros que estou lendo que se passam na Grã-Bretanha. Geek Girl, publicado no Brasil pela Editora Fundamento, é um livro divertidíssimo que conta a história de Harriet Manners, uma garota super inteligente e nada vaidosa que vê seu mundo girar de cabeça para baixo da noite para o dia. Ao ser forçada a comparecer a uma feira de moda com a sua melhor amiga, Nat, que sonha em ser modelo desde criancinha, Harriet se envolve em uma grande confusão causada pela sua falta de delicadeza e habilidades de socialização. Correndo o risco de ser presa, ela enxerga a luz no fim do túnel, ou, na verdade, seu esconderijo predileto: uma mesa. Ela não contava com o fato de que poderia encontrar alguém se escondendo ali também, muito menos o fato desse alguém ser o garoto mais bonito que Harriet já viu na vida.

Nick (ou Harry Styles, para mim *risos*) consegue desestabilizar Harriet, cuja vida amorosa se resumia, até então, a ser stalkeada por Toby, seu colega de classe. Após fazerem parte de um dos diálogos mais esquisitos da história da Literatura, Harriet descobre que estava fugindo do seu chefe, Wilbur, um extravagante agente de modelos. Se Harriet achava que passar vergonha na frente de Nick já tinha sido ruim o suficiente, ela mal podia esperar pela surpresa que vinha a seguir: Wilbur se interessou por ela. Harriet não conseguia acreditar. Não, não ela. Esse era para ser o dia em que Nat seria descoberta. Além de não querer magoar a melhor amiga, Harriet não compreendia o motivo do interesse de Wilbur. Logo ela, uma garota ruiva, desengonçada, que tinha um par de calças no guarda-roupa, nerd, que não sabia absolutamente nada sobre moda?

Foi aí que Harriet se viu diante de um dilema: contar para Nat e seus pais sobre a proposta (e deixar os dois últimos um pouco mais felizes depois da confusão em que ela se meteu na feira) ou omitir o que aconteceu e não magoar sua melhor amiga? Bem, nenhuma das alternativas anteriores. Ao descobrir que o pai estava passando por problemas no trabalho, Harriet fala sobre o convite e se decepciona com a receptividade da notícia. Annabel, sua madrasta, uma mulher de grande coração e personalidade forte, que imediatamente rejeita a ideia de Harriet ser modelo e, com isso, abdicar de um futuro acadêmico brilhante. É com a ajuda do pai que Harriet consegue dar os primeiros passos rumo a passarela.

Enquanto aprendia a andar de salto e passava por uma transformação radical, Harriet escondia de Nat e Annabel o fato de estar se tornando uma modelo. O que ela e o pai não levaram em conta foi o fato de que viviam em um mundo conectado, onde a Internet domina e o conteúdo midiático consegue atingir o mundo inteiro em milésimos de segundo. Como Harriet vai lidar com a ira da amiga, a briga entre os pais e o novo sentimento por Nick, você só vai saber lendo. Prepare-se, você vai dar boas risadas durante a leitura.

Para Geek Girl, de Holly Smale, dou 4 baldes de pipoca6c14d-4pipocas