Resenha: “Quase Uma Rockstar” – Matthew Quick

quaseumarockstar

Primeiramente, preciso dizer que esperava bem mais desse livro. Talvez pelo título, talvez por ter amado “O Lado Bom da Vida” (também escrito pelo Matthew Quick) ou talvez por realmente querer ler algo legal. Não fiquei completamente desapontada, mas faltou algum elemento na história que não me permitisse que eu a esquecesse tão rapidamente.

“Quase Uma Rockstar” é a história de Amber Appleton, uma garota extremamente otimista, que mora no ônibus escolar que sua mãe alcoólatra dirige, tem um cachorro fofo chamado Bobby Big Boy (mais conhecido como BBB) e faz parte de um grupo chamado “Os Cinco”, formado pelos alunos mais desprezados da sua escola e liderados pelo professor mais desprezado do corpo docente.

A vida de Amber só não é uma total catástrofe porque ela pode contar com o apoio de Donna, mãe do seu melhor amigo Rick e seu maior modelo de inspiração. É na casa de Donna que Amber se alimenta, toma banho e deixa BBB quando vai para a escola ou vai ministrar aulas na Igreja do Padre Chee, onde ensina mulheres coreanas a língua inglesa através de músicas de divas americanas. Além disso, Amber também é voluntária em uma casa de repouso, onde semanalmente faz debates acirrados com uma senhora niilista, animando um pouco o ambiente.

Quando um verdadeiro desastre acontece na vida de Amber, ela percebe que apesar de achar que não possui mais nada, na verdade ela tem tudo. É justamente nesse momento que todo o bem que Amber fez para os outros volta na mesma intensidade para ela e é aí que temos a mensagem por trás do livro. Recomendo a leitura para um momento de descanso, já que o ritmo da escrita é bastante leve.

Para “Quase Uma Rockstar” dou três baldes de pipoca. 
etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512

Resenha: O Livro das Princesas – Meg Cabot, Paula Pimenta, Lauren Kate e Patrícia Barboza

Imagem

Eu lembro do dia em que vi no Twitter da Paula Pimenta a notícia sobre O Livro das Princesas. Minha reação imediata foi pensar: ‘nossa, é realmente uma ótima ideia!’ e em seguida, lembrei da entrevista online que fiz com a Paula para o Caçadora de Livros (na época do lançamento de MVFS1), quando ela me disse que estava lendo Insaciável, da Meg Cabot, e que a autora era uma das suas favoritas. Imaginei como seria escrever “com” alguém que você admira tanto. Quando falei disso com a Paula ao vivo e a cores (ainda preciso acreditar que aquilo realmente aconteceu) ela me deu um sorriso e a confirmação de que a sensação era realmente incrível.

Além de Paula e Meg, a Galera Record convidou Patrícia Barboza (uma das pessoas mais simpáticas que já conheci na vida! Sabe quando você olha para a pessoa e pensa: ‘Meu Deus, queria ser amiga dela!’ ? Exatamente.) Ela já tem vários livros publicados e inclusive uma série, As Mais, cuja resenha você verá muito em breve aqui no Livro & Pipoca. Por fim, Lauren Kate (da série Fallen) completa o time.

Antes de começar a resenha, preciso contar um pouco sobre a minha experiência na sessão de autógrafos do livro aqui em Natal. Para isso, fiz um mini vídeo para vocês. Preciso contar do meu alívio por ninguém ter filmado minha reação quando vi Paula Pimenta e Patrícia Barboza pela primeira vez. Sério, eu nunca tinha sentido nada parecido! O sangue do meu corpo resolveu se concentrar em minhas mãos, que começaram a formigar, e lágrimas surgiram dos meus olhos sem qualquer tipo de esforço, apenas para coroar a emoção do momento. Não imaginei que sentiria algo assim. Foi incrível. Em um breve resumo, cheguei ao shopping por volta das 11 da manhã e já havia uma fila na frente da Saraiva. Confesso que não esperei que tanta gente fosse aparecer (se você mora em Natal, sabe que a maioria das pessoas não lê muito) e fiquei muito feliz por ter sido surpreendida. Conheci pessoas incríveis na fila, fiz várias amizades (olha aí, o poder da leitura unindo as pessoas!) que me ajudaram a passar as primeiras 6 horas na fila até a hora em que Paula e Patrícia chegaram e que ficaram comigo nas outras 6 horas esperando a sessão acabar para falarmos com as duas com mais calma. Infelizmente, quando faltavam 3 pessoas na fila do autógrafo, tive que ir embora! No entanto, as ótimas lembranças do dia continuarão no meu coração.

No vídeo, vocês poderão ver um breve momento em que elas autografam os livros e algumas fotos da fila! Mais de 300 senhas foram distribuidas, sucesso total. Esta sou eu com a Patrícia Barboza e a Paula Pimenta! Minha felicidade era perceptível, não é mesmo?

Imagem

Agora, vamos ao que interessa! Na primeira orelha do livro, você já encontra uma espécie de Carta de Recomendação de ninguém mais, ninguém menos que a Princesa Mia Thermopolis! De cara, você já entra no clima do livro. O primeiro conto é da Meg Cabot, que adaptou A Bela e a Fera para uma versão moderna, a qual deu o título de “A Modelo e o Monstro”.

A Belle da história é uma modelo muito famosa e é convidada para viajar num cruzeiro chiquérrimo com destino a São Paulo (créditos à Meg por citar o Brasil!). Ela não embarca sozinha, está acompanhada de seu pai, recém casado, da esposa dele, Vivian e da filha dela, Penny. Logo no início, Belle vê um homem com ar misterioso na sacada do quarto mais caro do navio e não consegue tirá-lo da cabeça. Muita coisa acontece antes deles finalmente se encontrarem e Belle descobrir porque ele não sai do quarto e tem tendência a ficar em locais escuros.

O amor de Belle pelos livros é algo que Meg dá grande destaque no conto, sem perder a essência original. O conto começa num ritmo incrível e vai se perdendo ao longo das páginas, mas não deixa de ser uma boa leitura – principalmente para quem está começando a se interessar pelo mundo dos livros agora.

Resenha: Um Homem de Sorte - Nicholas Sparks

Para a “Modelo e o Monstro”.

O segundo conto é a “Princesa Pop”, adaptação da Cinderella, escrita pela Paula Pimenta. Todos os ingredientes necessários para uma ótima história aparecem nele: música, romance, adversidades e um casal muito fofo que te deixa torcendo para que fiquem juntos. A personagem principal é a Cintia, que está no último ano do colégio e tem na música uma válvula de escape para os problemas que ela não pode controlar. Os pais tiveram uma separação difícil que resultou na mudança de sua mãe para o Japão, um novo casamento para o seu pai e uma vida completamente diferente para ela, ao ter que morar com a tia.

O mundo de Cintia desabou e as cores foram embora de sua vida – inclusive nas roupas. Tudo isso começa a mudar quando ela é convidada para tocar na festa das enteadas do pai, que estavam fazendo 15 anos. O problema é que o pai de Cintia não sabia sobre seu trabalho: ela era DJ. Ele havia obrigado a garota a aparecer na festa ou ela não teria algo que queria muito. Como aparecer na festa e ser a DJ, sem que seu pai notasse? É aí que a história começa e você se apaixona. Não estou brincando quando digo que você se apaixona. Mesmo. Porque é lá que você conhece Fredy Prince, um cantor super famoso entre as adolescentes e que fora contratado para fazer um show na festa. Como Cintia se envolve com Fredy – quem ela detesta, só para constar – você só descobre lendo! Te garanto, você não vai conseguir esquecer Fredy tão fácil.

f46e3-5pipocas

 Para “Princesa Pop”.

O próximo conto é da Lauren Kate, que escolheu se basear em A Bela Adormecida e se chama “Eclipse do Unicórnio”. As 3 primeiras páginas do conto vão te instigar, você vai pensar ‘nossa, essa história vai ser ótima’ e, infelizmente, isso não é verdade. A impressão que dá é que não houve muito esforço na hora de escrever, o que é muito chato, considerando que existem contos muito bons no livro e que você pode perceber o quanto as autoras se empenharam neles. Você se depara com os nomes dos personagens principais: Thalia e Percy e não consegue pensar em outra coisa a não ser: RICK RIORDAN.

Enfim, a história fala da princesa Thalia, que foi amaldiçoada com o sono eterno. Percy é um garoto americano que acabou de terminar um relacionamento e está fazendo uma excursão com sua turma para a França. Lá, ele visita um castelo quando se dispersa do grupo e percebe a existência de um outro castelo, com aparência mágica, e resolve conhecê-lo. Como Percy consegue quebrar a magia que protegia o castelo da entrada de qualquer pessoa e encontra Thalia, você só descobrirá lendo.

01c36-3pipocasPara “Eclipse do Unicórnio”. 
O último conto do livro surge para te alegrar depois da decepção do anterior. É “Do Alto da Torre”, a versão de Rapunzel da Patrícia Barboza. O conto, assim como “Princesa Pop”, tem tudo para te fazer se apaixonar: uma grande influência da Katy Perry, covers do Youtube, um cara super fofo e muita confusão! A personagem principal se chama Camila, uma garota que lida com algo que muita gente pode se identificar (eu, inclusive): paga uma promessa feita por outras pessoas. Ela não poderia cortar seu cabelo até o dia do aniversário de 15 anos. Seria fácil se a promessa tivesse sido feita quando Camila tinha 14 anos, mas não – ela tinha apenas onze. ONZE!

Seu grande sonho é ser uma cantora de sucesso e ela conta com a ajuda de Pedro, seu colega de sala super fofo (que Camila é muito cega para enxergar) para manter um canal no Youtube, chamado Do Alto da Torre, onde postam vídeos dela cantando suas músicas favoritas. O canal é um sucesso, mas ninguém sabe que Camila é a cantora dos vídeos, pois, sua Madrinha (com quem ela mora) é muito rígida e jamais permitiria que ela fizesse aquilo. O que acontece quando Camila finalmente completa 15 anos, corta o cabelo e se inscreve num show de talentos da escola formam a receita perfeita para um conto que vai te conquistar!

f46e3-5pipocas

 Para “Do Alto da Torre”.

Preciso dizer que eu amaria se “Princesa Pop”, “Do Alto da Torre” e “A Modelo e o Monstro” fossem transformados em livros! Alô? Galera Record? Está me ouvindo?

Eu poderia dar vários baldes de pipoca para “O Livro das Princesas” pela capa, que é a coisa mais fofa desse mundo e pelas ilustrações que antecedem cada conto. Lindo!

p.s: eu poderia dar ainda mais baldes de pipoca pelas citações de Kate e William, One Direction e Katy Perry ao longo dos contos. Tenho certeza que você daria também!

Para Assistir com Pipoca: One Direction – This Is Us

Imagem

,Esse post provavelmente fará com que muita gente revire os olhos. É esse efeito que One Direction causa a quem não os conhece, ou o que qualquer outra banda/cantor/ator/coisa a quem também não sabe nada sobre. Indico This Is Us para essas pessoas que não fazem ideia do que é banda (exatamente como a senhora simpática que se sentou ao meu lado durante a sessão e que me perguntou: “O que eles cantam? A banda é boa?” recebendo um “Eu adoro! Espero que você goste e boa sorte!”). Boa sorte? Por qual motivo você deseja boa sorte a alguém na hora de assistir a um filme? Bom, se esse filme envolve milhões de fãs alucinadas cujas cordas vocais estão em pleno vapor, é uma ótima ideia desejar sorte (o que eu não tive, por sinal! Ganhei uma bela dor de cabeça! Obrigada, meninas!). 

Vou parar de reclamar e começar essa resenha! YAY! Continuando, This Is Us é realmente um filme para quem não conhece a banda ou pouco sabe sobre ela. Para fãs (ou quase-fãs, no meu caso, se é que isso existe) a parte legal do filme é assistir aos meninos cantando ao vivo e perceber que eles soam muuuuuuito melhor fora do estúdio. Fora isso, todas as informações do filme já eram conhecidas pelo fandom. Lógico que é divertido ver como eles interagem nos bastidores, mas acho que também já tínhamos material suficiente sobre isso.

Porque diabos estou reclamando tanto? Por um simples motivo: A MINHA MÚSICA FAVORITA NÃO ESTAVA NO FILME. Pois é. E se você conhece Best Song Ever e sabe que essa música foi feita para promover o filme, espere a decepção. A música não aparece em momento algum durante o filme! Exatamente como meu outro trauma, Safe and Sound em Jogos Vorazes. Valeu a pena por ter tido a oportunidade de conhecer outras músicas (além dos singles).

Morgan Spurlock, o diretor do filme, sem dúvidas fez um bom trabalho. Com sacadas inteligentes incluindo uma explicação científica do que o 1D causa nas fãs e alguns efeitos que aparecem durante as músicas (minha parte favorita! Pena que se eu falar vai perder a graça). Se você ainda não conhece o trabalho do Morgan, corra para assistir Super Size Me, uma crítica ao Mc Donald’s muito bem feita.

Imagem

A presença das famílias foi constante durante o filme e as namoradas cortadas (exceto pela namorada do Liam na época, Danielle, que aparece no finalzinho) – os garotos explicaram em entrevistas que o corte não foi proposital, mas, eu, você, todos nós sabemos que há todo um trabalho por trás, que não mostra as namoradas para que as garotas continuem sonhando em namorar com um deles. Um dos momentos mais emocionantes é o que aparece no trailer (aliás, se você assistiu ao trailer, viu o filme quase todo!), quando Zayn compra uma casa para sua mãe. É de arrepiar.

Você também aprenderá a respeitar muito mais os artistas em geral, ao ver o quanto eles trabalham (de verdade!). 10 minutos de sono, meses sem poder ver a família e um assédio louco (que apesar de tudo não foi abordado de forma ruim – lógico – no filme). Não posso contar quem aparece no filme, mas posso dizer que é muito engraçado ver os garotos na posição de fãs quando conhecem pessoas que eles admiram.

Eu não tenho dúvidas que a minha opinião acerca do filme irá melhorar assim que eu conseguir assisti-lo sem interferências externas, mas por enquanto eu dou três baldes de pipoca! Posso dar cinco baldes de pipoca só pelo início do filme, que foi hilário e muito fofo? Não?

p.s: Eu percebi que só citei os nome do Liam e do Zayn nesse post. Não foi proposital, até porque se eu escolhesse citar só um deles não seria o Liam! (Se você me segue no twitter, pessoa doida, sabe de quem estou falando!),

01c36-3pipocas

Pra Assistir com Pipoca: Katy Perry – Part of Me 3D

Sempre que algum filme como Never Say Never ou Miley Cyrus: Best of Both Worlds estreia uma polêmica vem à tona: porque mais uma vez os famosos se aproveitam de um momento de sucesso, lançam um filme com uma história nada inspiradora, nada relevante na intenção de ganhar mais e mais dinheiro à custa de seus fãs? Pois bem, eu respondo: a polêmica vem à tona a partir de pessoas que não foram ao cinema assistir a esses filmes. Não que eu esteja defendendo Bieber ou Cyrus, estou apenas dizendo que é melhor assistir antes de falar. Mesmo. É isso que está acontecendo com Katy Perry – Part of Me que teve sua estreia hoje no Brasil – depois de flopar nas bilheterias americanas.

Com os mesmos produtores de Never Say Never, Katy apostou em nada mais que a realidade. Permitiu que as câmeras a filmassem em seus momentos mais vulneráveis – destaque para o momento em que “cai a ficha” do divórcio de Russell Brand -, mais emocionantes e mais engraçados. As redes sociais também têm papel principal – mensagens de katycats e tweets da própria Katy “narram” os acontecimentos da sua história. Claro, tudo isso ocorre enquanto um mega show acontece.

Sem esquecer de sucessos como “I Kissed a Girl” (destaque para o momento em que ela tem de decidir sobre este e outros dois singles), “Thinking of You” (numa versão acústica muito melhor que a gravada em estúdio), e surpresas como um cover de “Dance With Somebody” da Whitney Houston e uma linda versão de “Hey Jude” dos Beatles. Sem dúvidas, um CD deste filme estaria na minha lista de compras. As versões tinham mais energia, mais emoção e mais verdade que quando gravadas para o álbum comercial.
Mostrando a trajetória de Katy desde sua participação num coral Evangélico – seu pai pregava a palavra de Deus e sua mãe também é extremamente religiosa, o que fez com que os dois não deixassem que Katy e seus irmãos (Angelica e David [lindo!!!!] que por sinal aparecem bastante no filme) não conhecessem nenhuma música que não fosse gospel. Até o momento em que Katy estava na casa de uma amiga e “Oughta Know” de Alanis Morrisette tocou.

Esse foi o momento que mudou a vida de Katy. A partir daí, você poderá ver a batalha da cantora em várias gravadoras e inclusive perceber que uma delas manteve Katy presa a sua lista de cantores para que ela não assinasse com outra gravadora e se tornasse um sucesso. Junto a isso, há a luta dela por ser Katy Perry, extrovertida e dinâmica, e não um produto que todas as gravadoras queriam que ela fosse.

E Russell Brand? Cadê? Ao contrário do que todo mundo pensa, ela NÃO tratou de Russell como um monstro em momento algum. Mas a emoção do filme definitivamente foi trazida por ele, quando vemos o Conto de Fadas de Katy se tornar um pesadelo e sentimos nosso coração apertar (e as lágrimas descerem) enquanto ela desaba e precisa tomar uma decisão: ou se entrega à tristeza ou se apresenta para os milhares de fãs que a esperavam em São Paulo. Como ela mesmo diz em suas letras sobre relacionamentos: “não é como nos filmes, mas deveria ser”. Não dá para contar mais que isso a respeito desse momento: você vai ter que ver para sentir.

Relatos como o da avó de Katy (super fofa!), seus pais, seus melhores amigos, empresário e estilista contribuem bastante para o desenrolar do filme. Vale destacar que amigos famosos da cantora também aparecem no filme. Quem são? Não conto!
Não posso terminar sem citar uma das frases que mais me marcou, vinda de Tamra (assistente de Katy): “As pessoas se enganam quando acham que Katy é uma marionete. Katy é a presidente de Katy Perry”. Sim, é perceptível que Katy dá ideias e participa intensamente da “empresa/produto” Katy Perry. E ela não está nem aí para quem acha que não é verdade.

A relação com os fãs, com a família (momentos muito, muito emocionantes com a irmã), e com seu “time” do dia-a-dia transformam o que seria só mais um documentário num filme super interessante, inspirador e que mostra que sim, é possível conquistar os sonhos se você persistir e principalmente seguir um conselho da Rainha dos gatos: “Be Yourself and You Can Be Anything”. “Seja você mesmo e você pode ser quem quiser”.

Para Katy Perry – Part of Me, dou 3 baldes de pipoca!

               E você? O que vai assistir neste final de semana?

Estreia da Semana: "Um Dia"

 “Um dia” é uma adaptação Hollywoodiana do livro de mesmo título de David Nicholls, que tem estreia marcada para o Brasil nessa sexta-feira (02).  Nos papeis principais de Emma Morley e Dexter, temos a sempre incrível Anne Hathaway – afinal, quantos conseguem sair de um filme infantil do Disney Channel e ir parar na A-list de Hollywood, com indicação ao Oscar e vários filmes maravilhosos? Não muitos! – e o também incrível Jim Sturgess, bastante conhecido por seu papel em Across The Universe.


Se você ainda não leu o livro, alerto que o post está cheio de SPOILERS!

Emma e Dexter se formaram juntos, mas ela era aquela típica tímida nerd, que apesar de sempre ter sentido algo por ele enquanto estudavam na mesma turma, nunca se declarou. Ele, o típico garanhão, rico e despreocupado, não havia notado Emma em nenhum dos anos anteriores até o dia de sua formatura, quando os dois – um pouco bêbados – vão para o apartamento dela e quase tem uma relação. Era 15 de Julho, e não esqueça essa data, afinal, os próximos 20 anos serão contados nesse exato dia e mês.

A cada ano, Emma e Dexter se encontravam no tal 15 de Julho. Nos primeiros anos, Emma se muda para Londres, sonhando com a vida de escritora, mas na verdade se esconde num restaurante mexicano, onde conhece Ian – com quem se relacionará nos anos seguintes – enquanto Dexter se torna um apresentador famoso de TV. Emma e Dexter continuaram apoiando um ao outro em seus dramas pessoais – como a doença da mãe de Dex – e a falta de coragem de Emma.
No entanto, muitos anos depois, Emma decide que, apesar de amá-lo, não gosta mais da pessoa em que ele se tornou. Metido, bêbado e desinteressado pela vida.


Mais tarde, eles se reencontram no casamento de amigos da faculdade, e é aí que decidem não mais perder o contato e também é aí que Dex entrega o convite de seu casamento para Emma e revela que será pai.
Traído pela mulher com seu grande amigo, Dexter viaja à Paris, onde Emma agora é uma conhecida escritora, decidido a ficar e se declarar para ela. Mas Emma não está sozinha. Ela namora Jean Pierre, um músico. Obviamente, Dexter se sente mal por não poder ficar com ela e resolve pegar o próximo trem de volta para casa.
Mas Emma não está disposta a perdê-lo outra vez, e corre atrás dele. Com toda sua luz e graça, Emma transforma Dex no cara que ele sempre foi por dentro, um maravilhoso e dedicado marido e pai para Jasmine, sua filha, que sempre ia visitá-los. Durante uma dessas visitas, Emma confessa para Dex que tem vontade de ser mãe, mãe do filho do homem que ela ama. Dexter, é claro, fica feliz e eles começam uma longa jornada de tentativa de uma gravidez.
Em 15 de Julho de 2006, quando Emma já estava deprimida por não conseguir engravidar, gasta sua energia na natação e manda um recado para o marido, dizendo que iria se atrasar, mas deixando claro que o amava, e que já já chegaria.
Emma nunca chegou. Foi atingida por um automóvel e morreu naquele 15 de Julho, deixando um Dex solitário, depressivo e que, enquanto não recebeu um toque de seu pai – de que ele deveria viver da mesma forma que viveria se Emma estivesse viva – e do ex de Emma, Ian, – que ele era iluminado por Emma, e só ele conseguia fazê-la feliz. Nesse dia, também 15 de Julho, Dex acordou novamente para a vida. Com o amor ainda maior por Emma, mas decidido a ser o cara que ela sempre quis que ele fosse.
Para “Um Dia” eu dou 3 pipocas.
A fotografia do filme é linda, os atores tem uma química perceptível, a história é envolvente, te prende e emociona. Mas Emma não merecia aquele final. Claro que não podemos mudar o que o autor escreveu, mas Hollywood bem que podia ter sido um pouco mais justo que o autor na hora de fazer o script do filme, não? Ainda estou com um nó na garganta e algumas lágrimas que teimam em cair enquanto escrevo essa “crítica”, porque é um amor lindo de se ver, com um final terrível. Eles tentam amenizar, mostrando Jasmine e ele, mas Emma merecia mais.