Resenha + Playlist: “Meu Romeu”, de Leisa Rayven

CAPA-Meu-RomeuQuando ganhei esse livro no sorteio que rolou no encontro da Globo Alt durante a Bienal do Rio, confesso que olhei meio “torto”. Provavelmente pelo trauma do último new adult que eu li: “After”, da Anna Todd. Aí eu tive uma semana de leituras difíceis, todas relacionadas ao conteúdo da faculdade. Foi então que decidi: nesse final de semana quero ler algo que me desafie. O resultado? Não fiz mais nada da minha vida até terminar de ler “Meu Romeu” (e a sequência, “Minha Julieta”, também!). Resolvi postar a resenha do segundo livro só quando ele estiver prestes a ganhar as estantes no Brasil, o que vai acontecer em Novembro. Por enquanto, deixo vocês com as minhas impressões de “Meu Romeu” e uma playlist especial com músicas que me lembram bastante os personagens e a história do livro. Espero que gostem!

“Meu Romeu”, escrito pela australiana Leisa Rayven, é o primeiro de dois livros que formam a série Starcrossed. A história gira em torno de Cassie Taylor e Ethan Holt, dois jovens atores que se conhecem nas audições para entrar na melhor faculdade de teatro do país. Em um dado momento, eles precisam fazer um exercício em dupla e a conexão entre os dois se torna visível. Bem, pelo menos no palco. Ethan não é uma pessoa muito fácil ou amigável e acaba despertando a ira de Cassie. É só quando os dois conseguem entrar para a faculdade e são escalados para interpretar Romeu e Julieta em uma peça que eles são forçados a admitir que o que sentem vai muito além de uma mera química no palco.

Os capítulos se revezam entre o começo do relacionamento dos dois e os momentos atuais, seis anos depois de entrarem na faculdade e se apaixonado, seis anos depois de Ethan ter destruído o coração de Cassie. A expectativa para descobrir o que ele fez exatamente vai crescendo a cada capítulo e você vai sofrendo junto aos personagens. Broadway. Não importava o fato de ter que dividir o palco com o cara que ela mais amou na vida e que infelizmente também era o cara que mais a tinha feito sofrer em toda a sua existência.

Bem, pelo menos ela tentou não dar muita importância a isso, mas a bagagem que Ethan traz com ele é impossível de se ignorar. Ele foi o primeiro e único amor de Cassie e deixou marcas bem difíceis de apagar. A relação dos dois nunca passou muito tempo em águas calmas, mas foi forte enquanto durou – e muito depois também. Quando os dois finalmente perceberam que a atração entre eles não poderia ser ignorada, tudo começou a desandar. Cassie esperava um relacionamento, companheirismo, um namoro de verdade. Ethan tinha problemas demais decorrentes do passado para dar a isso a ela. Isso o destruía. O medo de machucá-la e decepcioná-la o corroía.

– Então o que eu sou, hein? Me diz de uma vez! Abra essa boca e diga algo que me faça entender o que você sente! Acho que fui bem honesta com você sobre o que eu quero, mas tudo o que ganho em troca é o que você não quer.

-Quer saber o que eu quero? – ele diz, jogando a mochila no chão. – Ótimo. Quero isso.

Ele agarra meu rosto e me puxa para ele.  (Página 307)

Cassie não conseguia entender o que impedia que Ethan se entregasse, uma vez que a conexão entre os dois era mais que óbvia. Ela não desiste dele e, aos poucos, vai conseguindo adentrar algumas camadas da barreira que ele colocou em volta de si. O problema é que, apesar de conseguir passar por elas, Cassie não conseguiu derrubá-las. Os fantasmas do passado dele sempre voltavam.

– De repente, fazia sentido haver algo de errado comigo. Como se eu fosse um impostor na minha própria vida. E isso me deixou irritado pra caralho, porque eu imaginei “por que me importar?”. Sabe? Por que continuar fingindo? Nem sou filho ou irmão verdadeiro. Não sou nada real. Talvez por isso eu seja um bom ator. Todo personagem que interpreto é mais real do que eu. (Página 343)

Uma das coisas mais interessantes sobre a história é a maneira com que a autora consegue mesclar o que acontece com o casal e as histórias que eles estão interpretando em sala de aula. É como se em alguns momentos as máscaras não existissem e o palco fosse um momento de libertação, o local certo para expressar tudo o que precisavam.

Os fantasmas permanentes de Ethan o paralisaram e fizeram com que ele acabasse com toda e qualquer chance de continuar o namoro com Cassie. A distância emocional se torna distância física e Cassie não tem outra escolha a não ser seguir com a vida. Ou o que quer que isso significasse sem Ethan. É justamente quando ele volta, seis anos depois, que ela tem que aprender a lidar com os próprios fantasmas. Aqueles que Ethan acabou deixando com ela. Valeria a pena esquecê-los e dar uma nova chance ao amor da sua vida? Mesmo com aquele risco iminente de sempre de que ele poderia abandoná-la novamente?

Isso aí vocês só vão descobrir lendo “Meu Romeu”, mas enquanto não compram o livro, podem aproveitar essa playlist especial que montei com algumas músicas que me lembram da história de Cassie e Ethan. Me contem se vocês gostaram, tá?

meu romeu

Para “Meu Romeu”, de Leisa Rayven, dou 4 baldes de pipoca.

etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512

Resenha: “Para onde ela foi” – Gayle Forman (Novo Conceito)

para-onde-ela-foi-frente_3.jpg.1000x1353_q85_cropOK, preciso começar essa resenha fazendo uma confissão: não li “Se Eu Ficar”, fui direto para a versão cinematográfica da história – algo até então inédito para mim. Por não ter lido o livro, não conseguia compreender o hype da coisa toda (e a contagem regressiva para o filme com a Chloe Grace Moretz), então foi provavelmente por isso que no dia da estreia eu estava na fila do cinema, me preparando psicologicamente para acompanhar as legendas em Português de Portugal (nada fácil, caros leitores). Era mais uma tentativa de entender todo o alvoroço e ansiedade da minha timeline do Twitter que interesse no filme, devo admitir. Tá, colocar “Say Something” no trailer foi um golpe baixo, mas mesmo assim eu não estava esperando grande coisa. Bem, eu não poderia ter me surpreendido mais. Logo nas primeiras cenas do filme eu já estava completamente dentro do mundo de Mia Hall, a jovem violoncelista filha de pais punks que desperta o olhar do roqueiro (um tanto misterioso) Adam Wilde.

Se você ainda está lendo essa resenha, provavelmente leu “Se Eu Ficar” ou viu o filme, então [ALERTA DE SPOILERS] sabe que a história de amor de Mia e Adam não é muito simples e acaba sendo interrompida – enquanto eles estavam em crise – pelo acidente de carro que mata os pais de Mia e seu irmãozinho Teddy. Durante o período em que esteve em coma no hospital, a jovem prodígio teve a companhia dos avós, da melhor amiga Kim e de Adam, que acaba fazendo uma promessa bastante difícil – que é exatamente o que dá origem ao segundo livro.

Na sequência, que acontece três anos após o trágico acidente, somos apresentados ao ponto de vista de Adam (ele é o narrador) e, além de novos acontecimentos, Gayle brinca com flashbacks que acabam mostrando a versão de Adam de vários momentos do primeiro livro. Há espaço também para o que aconteceu logo depois dos momentos finais de “Se Eu Ficar”, então o livro tem uma espécie de vai-e-volta que é bastante característico do Cinema e acaba conferindo uma característica única ao enredo.

Três anos depois, Adam Wilde tem status de super estrela – graças ao sucesso da sua banda, Shooting Star, e do álbum que compôs logo após do “término” com Mia. Com vários Grammys, VMAs e outros prêmios no currículo, ele ganhou ainda mais notoriedade quando começou a namorar a estrela do cinema Bryn Shraeder – que tem uma descrição compatível a Megan Fox. Sua vida estampa as capas das mais variadas revistas de fofoca, paparazzi estão na sua cola 24 horas por dia e tudo isso é sufocante para ele – e acaba contribuindo para um tipo de fobia a entrevistas, repórteres e afins (poxa, Adam!).

Enquanto vive um relacionamento sem amor e uma grande crise com o resto da banda, Adam é entrevistado por uma jornalista e acaba surtando quando ela cita o nome de Mia. Até então, ele havia evitado de todas as formas revelar que teve um passado com ela para protegê-la de toda a loucura midiática, mas Mia se torna cada vez mais conhecida no mundo musical e protegê-la não é mais possível. É exatamente nesse dia que Adam descobre que Mia se apresentará no prestigiado Carnegie Hall e, sem pensar direito, compra um bilhete para assisti-la de longe. É a primeira vez que ele a vê desde que Mia foi para a Juilliard e deixou de repente de falar com ele.

A intenção do Wilde Man – seu apelido dentro da banda e nos tablóides – era passar despercebido naquela plateia formada por amantes da música clássica que dificilmente teriam sequer ouvido falar na Shooting Star. Ele não contava com o fato de vários funcionários terem o reconhecido e com a fofoca chegando aos ouvidos de Mia.

O que acontece quando os dois finalmente se reencontram? Bem, você só saberá lendo o livro (longe de mim estragar toda essa emoção!). Apesar de ter uma história coesa, sem fios soltos e diferente de outras leituras que eu já tenha feito, duas coisas me incomodaram durante a leitura: a visão um tanto estereotipada de um astro do rock – só faltava o Adam usar drogas ilícitas – e a maneira com que os avós de Mia são jogados de escanteio. Sim, é Adam quem narra o livro, mas acredito que a história poderia ter rendido ao menos dois parágrafos sobre os avós.

Como infelizmente não temos um CD da Shooting Star no mundo real, resolvi fazer uma playlist com as músicas que me vinham à mente enquanto lia a história. Preciso dizer que 1989 da Taylor Swift é o casamento ideal com o enredo e pelo menos três músicas do álbum estão na lista.

01 – I Know Places – Taylor Swift

02 – Thinking Out Loud – Ed Sheeran

03 – 18 – One Direction

04 – No Good In Goodbye – The Script

05 – Wildest Dreams – Taylor Swift

06 – All You Had To Do Was Stay – Taylor Swift

07 – Sad Serenade – Selena Gomez

Você pode ouvir a playlist aqui.

5 baldes de pipoca para o também best-seller “Para Onde Ela Foi”, de Gayle Forman, publicado no Brasil pela editora Novo Conceito.561a7-5pipocas

#MinhaPlaylist 02 – Músicas que te fazem cantar na frente do espelho

Sabe aquela música que te dá vontade de pegar a escova de cabelo e começar a cantar? É sobre esse tipo que este post está recheado! Vale embalagem de shampoo, frasco de perfume, microfone imaginário… o que você quiser! O que importa é apertar o play e se divertir! Vocês podem ouvir a playlist aqui: http://www.kboing.com.br/radio-show/playlists/2461684/1708957/

Burn – Ellie Goulding: minha música favorita no momento! A batida é incrível, o ritmo da música – que consegue variar entre lento e agitado – é contagiante e a voz de Ellie é uma das mais bonitas que já ouvi, tão singular! Minha parte favorita? A música inteira! Por isso, vou colocar só o trechinho que não sai da cabeça: “And we’re gonna let it burn, burn, burn, burn…”.

Come and Get It – Selena Gomez: te desafio a não ficar com o “na na na na” na sua cabeça! A melodia tem um quê místico e a música vai crescendo ao longo da letra, te empolgando e fazendo mexer nem que seja só a cabeça de um lado para o outro! “When you’re rea-a-a-a-a-dy when you’re rea-a-a-a-a-a-dy, ady…”.

We Are Never Ever Getting Back Together – Taylor Swift: por favor, até quem não gosta dela ama odiá-la. A música é chiclete, tem uma letra divertida e eu adoro a melodia! Vale encarnar a “personagem” e – no meu caso – pensar num ex imaginário! Se você tiver um exemplo de verdade, melhor ainda! Uma das partes mais legais da música é quando a Taylor fala: “he calls me and he’s like ‘I still love you’ and I’m like ‘this is exhausting’, we are never getting back together. Like ever.”

Don’t Forget – Demi Lovato: essa é clássica! É antiga e continua sendo maravilhosa. Se você assistir ao clipe, dá para sentir a vibe e imitar a Demi na frente do espelho. O movimento clássico de ombros é sempre uma boa pedida! Definitivamente é diferente das músicas anteriores por ser bem triste, mas os sons da bateria e da guitarra dão uma animada! Minha parte favorita? O final, quando a música vai desaparecendo e ela quase chega a falar, não cantar: “Somewhere we went wrong, our love is like a song… But you won’t sing along. You’ve forgotten about… us. (e aquele DON’T FORGET baixinho haha)”

My Life Would Suck Without You:  Kelly Clarkson: você não sabe o que é se divertir se nunca cantou feito louca alguma das músicas da Kelly. Escolhi esta por ter feito um vídeo dublando há alguns anos atrás (graças a Deus não sei onde foi parar!) e me garantiu ótimos momentos! Dica: assista ao clipe! Vou falar que minha parte favorita é (novamente) a hora em que a música diminui o ritmo e ela canta: “Being with you is so dysfunctional. I really shoudn’t miss you, but I can’t let you go”.

Payphone – Maroon 5: Minha banda favorita não poderia deixar de aparecer por aqui! A letra dessa música é tão incrível que eu poderia facilmente pintá-la na parede do meu quarto para olhar e lembrar todo dia! “If happy ever after did exist, I would still be holding you like this… all these fairytales are full of s***, one more f****** love song, I’ll be sick”.

Hall of Fame – The Script: o maior desafio é conseguir aprender a letra da música, que consegue ser muito rápida em alguns momentos. Como o que vale é a intenção, rola aquele famoso “embromation” e a diversão acontece! Tem uma letra inspiradora e se você estiver precisando de estímulo para fazer algo, é uma boa pedida. “You can beat the world, you can beat the war, you can talk to God, go banging on his door”.

Ready or Not – Bridgit Mendler: apesar de só conhecer duas músicas dela, Bridgit é, para mim, a melhor cantora dessa nova “safra” de queridinhas da Disney, Nick e afins. Tem uma voz boa (inclusive ao vivo!) e os raps que ela faz nas músicas são sensacionais. Minha parte favorita (talvez, só talvez, tenha a ver com a citação de um certo casal que adoro): “Where have I seen you? You’ll be my William, I’ll be your Kate, livin’ like a fairytale”.

Grenade – Bruno Mars: sem dúvidas, um dos melhores cantores da atualidade. Ele é um dos poucos que transmitem na voz toda a emoção da letra e te faz sofrer (ou se animar) com ele! Ajuda o fato de Bruno ser o compositor, claro. “If my body was on fire, oh, you’d watch me burn down in flames. You said you love me, you’re a liar, cause you never, ever, ever did baby”.

Broken Hearted Girl – Beyoncé: fechando o #MinhaPlaylist com chave de ouro, Queen B! A letra dessa música é tão poderosa que faz você pensar que de fato, é o seu coração que foi partido! Agarre o cabo da escova com todas as suas forças e capriche na emoção! Now I’m in a place I thought I’d never be… living in a world that’s all about you and me…ain’t gotta be afraid my broken heart is free… spread my wings and fly AWAAAY, AWAAAAY WITH YOUUU”.

É isso, bookaholics! Espero que tenham gostado da #MinhaPlaylist número 2! Não esqueçam de comentar aqui embaixo. Você costuma cantar na frente do espelho? Já cantou alguma dessas músicas? Quais você canta? Não deixe de me contar.

 

#MinhaPlaylist 01 – Músicas que me colocam para cima

Imagem

Se você me segue no Twitter, percebeu que esta semana não foi fácil para mim. Nem tudo foi ruim, já que a partir de tudo que aconteceu eu tive a ideia para a #MinhaPlaylist, que será postada toda Sexta-Feira aqui no blog, com temas diferentes. Vai variar de acordo com o meu humor semanal, com algo que vi na rua, com algum livro que li – e estou aceitando sugestões!

A #MinhaPlaylist número 1 tem como tema as 13 músicas (não, isto não tem nada a ver com o 13 da Taylor Swift, embora ela apareça aqui!) que sempre me colocam para cima – mesmo que a maioria delas tenha melodias beeem tristes – com suas letras inspiradoras que refletem tudo o que você queria ouvir de alguém – ou dizer a você mesma – nos momentos mais difíceis. Meu gosto musical é parecido com o de todo mundo (mesmo. Não tem nada de diferente nas coisas que escuto, não sou a única fã de uma banda de garagem da Escócia ou qualquer coisa do tipo) e mesmo que você tenha gostos diferentes (e conheça uma banda de garagem escocesa), provavelmente se identificará com alguma dessas canções.

Sempre postarei os clipes das músicas(se existirem) e uma playlist no kboing.com.br, para que vocês possam ouvir todas elas na sequência. Espero que gostem! E não esqueçam de me mandar suas sugestões!

-> Você pode ouvir as músicas nessa playlist especial do blog no Kboing

Who You Are – Jessie J: Essa música é (definitivamente) uma das minhas favoritas de todos os tempos. A letra composta por Jessie é capaz de te fazer acreditar em quem você é e no quanto você é especial (mesmo quando a gente pensa que é a pessoa mais chata/burra/feia do mundo). Meu trecho favorito:

“Às vezes é difícil seguir o seu coração, mas lágrimas não significam que você está perdendo, todo mundo está se machucando, apenas seja verdadeiro com quem você é”

Who Says – Selena Gomez: Essa música fala sobre julgamentos e a importância da aceitação (principalmente em relação a si mesma). A melodia é super divertida e vai te fazer balançar de um lado para o outro aí na cadeira. Meu trecho favorito:

“Quem disse que você não tem potencial? Quem disse que você não pode ser presidente? Quem disse que você não pode fazer filmes?”

Wings – Little Mix: A batida da música é contagiante e, aliada com uma letra poderosa, tem uma grande chance de se tornar uma das suas favoritas (se já não for!) Meu trecho favorito:

Não deixaremos ninguém nos derrubar, não importa o que você diga, não vai me machucar. Não importa se eu cair do céu, porque asas foram feitas para voar”

The Climb – Miley Cyrus: Precisei deixar claro que essa música é da antiga Miley Cyrus, não daquela que fica esfregando tudo numa bola de metal! Ela já cantou essa música linda até para o Barack Obama. Fala sobre todos os obstáculos que temos que ultrapassar para encontrar o que está guardado para nós do outro lado da montanha. É uma música muito triste, mas sempre me faz reerguer a cabeça! Meu trecho favorito:

“Sempre haverá uma outra montanha

Eu sempre vou querer movê-la

Sempre vai ser uma batalha difícil

Às vezes eu vou ter que perder

Não é sobre o quão rápido chegarei lá

Não é sobre o que está me esperando do outro lado

É a escalada” – Fonte: Vagalume

Skyscraper – Demi Lovato: Há alguém na face desta Terra que não tenha ouvido falar sobre os problemas da Demi, a reabilitação e a volta por cima? Essa música resume tudo isso e ainda serve de inspiração para o dia a dia, não importando qual tipo de problema você esteja passando. Meu trecho favorito:

“Você pode tirar tudo o que tenho, pode quebrar tudo o que sou, como se eu fosse feita de vidro, como se eu fosse feita de papel. Vá e tente me arrasar, eu estarei levantando do chão como um arranha-céus”

Fix You – Coldplay: Sempre que me perguntam qual é a minha música favorita, passo alguns minutos pensando. Talvez eu responda que é a última que ouvi, a última que me tocou ou que me fez lembrar de alguma coisa, porém, minha resposta sempre volta à Fix You. Você pode relacionar a letra com qualquer coisa: relacionamentos amorosos, família, escola, vida. A voz do Chris Martin e a melodia característica do Coldplay se unem a uma letra fantástica e resultam na minha música favorita. De todos os tempos. Um dos meus trechos favoritos:

“E as lágrimas continuam a rolar no seu rosto. Quando você perde algo que não consegue substituir, quando você ama alguém mas isso se desperdiça. Podia ser pior? 

Luzes vão te guiar para casa e incendiar seus ossos. E eu, eu tentarei consertar você”

Brave – Sara Bareilles: Conheço várias músicas da Sara, mas confesso que só ouvi falar de Brave depois de toda a confusão relacionada a Roar, da Katy Perry (na minha opinião, as músicas realmente são parecidas). A composição de Sara é inspiradora, o ritmo é divertido e o clipe mais ainda! Meu trecho favorito:

“Diga o que você quer dizer e deixe as palavras caírem. Honestamente, quero ver você ser corajoso”

Fuckin’ Perfect – Pink: como todas as letras da Pink, esta também é poderosíssima. Fala sobre pré-julgamentos e erros. A mensagem principal é a de que por mais que às vezes você esteja se sentindo um lixo, você é perfeita para alguém no mundo. O que é a mais pura verdade. Meu trecho favorito:

“Maltratada, deslocada, mal compreendida.”Espertona”, está tudo bem. Isso não me desacelerou. Errada, sempre em dúvida, subestimada, veja, ainda estou aqui”

Mean – Taylor Swift: Essa música é aquele recado que você tanto quer mandar para todo mundo que sempre te tratou mal sem motivo algum, que ficava feliz em te ver triste e que era tão desocupado ao ponto de passar mais tempo se preocupando com você do que com a própria vida. Ah, como conheci pessoas assim na minha vida! E ah, como queria mandar um CD com essa música para todas elas. Meu trecho favorito:

“Algum dia, estarei morando numa grande e velha cidade, e tudo que você será é malvado. Algum dia, serei tão grande que você não conseguirá me atacar, e tudo que você será é malvado”

Firework – Katy Perry: Com certeza você já ouviu essa música. Ela fala sobre momentos e sentimentos terríveis, mas que sempre precedem algo feliz. Meu trecho favorito:

“Você não precisa se sentir como um desperdício de espaço, você é original – não pode ser substituído. Se você apenas soubesse o que o futuro guarda – depois de um furação, vem um arco-íris”

Who’s Laughing Now -Jesse J: Primeiramente, assistam a esse clipe! Essa música acompanharia Mean naquele CD especial que eu adoraria entregar a muita gente! Fala sobre o poder das pessoas de destroçar os nossos espíritos, de nos ferir com palavras e sobre a nossa capacidade de um dia, olharmos para todas elas e nos questionar quem realmente está rindo por último. Meu trecho favorito:

“Agora você acha que me conhece. Esqueceu de como me fazia sentir quando você acabava com meu espírito? Mas obrigada pela dor, me fortaleceu, e eu ainda estou me erguendo”

Fix a Heart – Demi Lovato: Essa música também fala sobre o período difícil que a Demi passou e, principalmente o fato de que por mais que tentemos apagar nossas feridas, elas continuarão lá em algum lugar. Não sei exatamente porque essa música me coloca para cima, mas ela coloca! Meu trecho favorito:

“Você pode colocar uma atadura no machucado, mas nunca pode consertar um coração”.

Breaking Free – High School Musical: Essa lista não estaria completa sem Breaking Free. Além de High School Musical ter sido uma parte muito importante da minha vida e ter me dado de presente amigas incríveis, esta música sempre me coloca para cima quando penso que não conseguirei fazer algo, que sou a pessoa menos indicada para realizar tal tarefa e tento me colocar para baixo. Se eu gostasse de tatuagens (nada contra quem tem), este trecho seria o meu escolhido para ficar para sempre marcado em mim:

“Não existe uma só estrela no céu que não possamos alcançar”. 

Depois da minha frase inspiradora favorita, finalizo o primeiro #MinhaPlaylist! Espero que vocês tenham gostado e que não esqueçam de mandar suas sugestões!

Teen Choice Awards 2013

Imagem

O Teen Choice Awards 2013 aconteceu ontem, 11 de Agosto, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Como toda boa premiação teen, a galera da Disney estava em peso (e senti falta do pessoal da Nick, como a Victoria Justice), e os ex-Disney também.

A véspera da premiação foi bastante tensa, pois Lea Michele anunciou que faria sua primeira aparição após a morte do namorado e colega de elenco em Glee, Cory Monteith. Toda a expectativa pairava sobre haver ou não uma homenagem a ele, tendo em vista que a premiação é da FOX, e é esse o canal que exibe Glee.

Tensões à parte, a noite iniciou com um esquisito One Direction, sem aquela interação tradicional dos meninos. Zayn parecia estar lá por pura obrigação, Niall estava perdido, assim como Louis, e os únicos que pareciam estar se divertindo eram Liam e Harry. Best Song Ever foi a escolhida para dar um gostinho do que veremos nos cinemas em This Is Us, o filme do 1D.

O 1D levou as categorias de Grupo Musical, Turnê de Verão, Single por Live While We’re Young e Música Romântica por Little Things (p.s: vocês sabiam que foi o Ed Sheeran quem compôs esta música?).

Harry Styles não chamou atenção somente quando estava no palco. Os apresentadores Darren Criss e Lucy Hale o chamaram para fazer o “twerk” (se você teve paciência para assistir ao novo clipe da Miley Cyrus, sabe do que estou falando).


Uploaded with ImageShack.us

 

sel

Selena Gomez (sem Justin, só para constar) ganhou na categoria “melhor música de fim  de namoro”, com Come and Get It. Pois é, não faz sentido. Essa música não tem a ver  com final de namoro. E TAYLOR SWIFT concorria nessa categoria. Como podem não  premiá-la numa categoria MELHOR MÚSICA DE FIM DE NAMORO?

Imagem

Troian Belisario também não curtiu.

Nick Jonas… bem, é Nick Jonas.

selenanick

 

 

 

 

 

 

 

 

Rolou imitação do Ian Somerhalder, feita pelo Darren Criss…

Imagem

E Glee ganhando por melhor série de comédia. Fazendo todo mundo chorar, claro. Homenagem, homenagem, não rolou. Mas Lea Michele surgiu para agradecer sua prancha de melhor atriz e não houve quem não deixasse lágrimas rolarem ao assistir a intérprete de Rachel dedicar o prêmio a Cory Monteith.

Imagem

Harry Styles se emocionou

Imagem

Pitch Perfect levou 4 pranchas, incluindo atriz e ator de comédia para Rebel Wilson (com sua roupa de surfista) e Skylar Astin.

Demi lovato levou a prancha de voz feminina para casa e cantou Made In The USA, com Nick Jonas na bateria. Ele recebeu um prêmio pela suas ações relacionadas ao Diabetes (ele sofre do tipo 1).

Essa é a lista das principais categorias e seus vencedores:

Choice TV Show, Drama: Pretty Little Liars

Choice Summer TV Show: Pretty Little Liars

Choice Summer TV Star, Female: Lucy Hale, Pretty Little Liars

Choice Summer TV Star, Male: Keegan Allen, Pretty Little Liars

Choice TV Actress, Drama: Troian Bellisario, Pretty Little Liars

Choice TV Actor, Drama: Ian Harding, Pretty Little Liars

Choice TV Villain: Janel Parrish, Pretty Little Liars

Choice TV Comedy: Glee

Choice TV Breakout Star: Blake Jenner, Glee

Choice TV Scene Stealer, Male: Chord Overstreet, Glee

Choice TV Actress, Comedy: Lea MicheleGlee

Choice Sci-Fi/Fantasy Show: The Vampire Diaries

Choice TV Actor, Sci-Fi/Fantasy: Ian Somerhalder, The Vampire Diaries

Choice TV Actress, Sci-Fi/Fantasy: Nina DobrevThe Vampire Diaries

Choice Action Show: NCIS: Los Angeles

Choice TV Actor, Comedy: Jim Parsons, The Big Bang Theory

Choice Summer Music Star, Female: Selena Gomez

Choice Female Artist: Demi Lovato

Choice Male Artist: Justin Bieber

Choice Single By A Female: “Heart Attack,” Demi Lovato

Choice Single By A Male: “Beauty And A Beat,” Justin Bieber

Choice Rock Group: Paramore

Choice Summer Song: “We Can’t Stop,” Miley Cyrus

Choice Breakout Group: Emblem3

Choice Summer Music Star: Bruno Mars

Grammy 2013 no Livro e Pipoca – VÍDEO





Olá, bookaholics! Eu não poderia deixar as indicações do Grammy 2013 passarem despercebidas, ainda mais quando soube que os meus artistas favoritos foram indicados! Ed Sheeran e Taylor Swift são alguns dos escolhidos e estarão concorrendo ao prêmio que será entregue no dia 10 de Fevereiro. Como vocês vão ver no vídeo, minha animação está à flor da pele! 

Quais são seus favoritos? Façam suas apostas! 

Hollywood Stop #3 – Teen Choice Awards 2012

A Universal está lotada, as celebridades enchem a timeline do twitter com fotos misteriosas sobre seus vestidos e acompanhantes e os Trending Topics estão lotados de mensagens de apoio aos famosos do momento. Sim, bem-vindos à noite do Teen Choice Awards 2012!


Já peço desculpas pela minha visão “crítica” da premiação, pois já assisto desde 2007 e “meio que sei” o que já aconteceu por lá, o que deu certo ou errado e o que fez sucesso.
Logo no tapete rosa  (sim, ROSA! Já foi verde e azul em edições passadas) me assustei com a quantidade de estrelas apagadas que circulavam por ali. Vi a maravilhosa (e cara da infância) JoJo, além das gêmeas daquele filme que SEMPRE está passando na Globo, Twitches – Bruxinhas Gêmeas.

Em seguida, estrelas que sempre estiveram lá, como Selena Gomez, Demi Lovato, Taylor Swift e Zac Efron também surgiram. Demi era a apresentadora da noite juntamente a Kevin McHale (Glee) e apesar de gostar dos dois, não deu certo. MESMO. Não havia sintonia, o que resultou em vários momentos quando eles não tinham nem o que falar! O número de abertura com dançarinos do Step Up Revolution poderia ter sido bem mais animado. Até a surpresa de aniversário para Selena Gomez deixou a desejar. Suas duas melhores amigas, Demi e Taylor – além do namorado Justin Bieber – estavam presentes e nem por isso a produção cedeu um microfone para que eles animassem a homenagem.

Um momento bastante sem sentido foi quando Simon Cowell e Britney Spears (além de L.A Reid) surgiram no telão desejando boa sorte à Demi, [para quem não sabe, ela é a nova jurada do X-Factor, sendo assim, “colega” dos três]. Claramente para fazer propaganda de algo que já é bastante assistido. Em seguida, Kevin tentou fazer uma audição para o programa em pleno palco, cantando e… peraí, AQUELA é a voz do Kevin?

O No Doubt surgiu com um toque de reggae e não agradou. Não é o público da banda. As pessoas estavam ali para ver Justin Bieber! Ou One Direction, que infelizmente não estava lá mas mandou um vídeo de agradecimento engraçadíssimo por terem ganhado Choice Love Song por “What Makes You Beautiful“. 

Falando em Justin Bieber, ele ainda não conseguiu acertar Boyfriend ao vivo e quando eu pensei que seria um total desastre, ele surgiu com “As Long As You Love Me” e arrasou! A voz estava legal, a coreografia incrível e até uma homenagem a Michael Jackson no final, quando ele fez a pose famosa do Rei do Pop no final da música. Empolgou. Selena Gomez e Taylor Swift pularam, tietaram, cantaram e surtaram com Justin.

O trio de Crepúsculo subiu para agradecer um prêmio pelo “conjunto da obra”, mas também não funcionou. Outros atores do filme como Nikki Reed, Jackson Rathbone e Peter Faccinelli estavam na platéia e nem sequer foram mencionados pelos três. Fora, que no final do “discurso” Robert Pattinson e Kristen Stewart deram suas pranchas para pessoas da platéia. ISSO MESMO! DERAM! Não é de hoje que Kristen não mostra o mínimo de importância em relação aos prêmios que os fãs sofrem para homenageá-los.

FloRida levantou a galera com Sia em Wild Ones, além do DJ de Jersey Shore. Nada comparado ao fenômeno revelado pelo próprio Justin (e vale salientar que a revelação foi maior que o revelador por meses na lista da Billboard) – Carly Rae Jepsen com Call Me Maybe enquanto no telão as celebridades presentes faziam cover da música chiclete.

The Vampire Diaries levou seis pranchas para Atlanta, incluindo Choice TV Show para o elenco, Choice TV Actor e Hottie para Ian Somerhalder e “Homem que Rouba a Cena” para Michael Trevino. A versão feminina foi de Candice Accola, enquanto Nina Dobrev foi para casa com Choice TV Actress.






The Hunger Games levou melhor beijo para 
Jennifer Lawrence e Josh Hutcherson, estes que levaram também Choice Movie Actor/Actress Sci-Fi , Choice Villain para Alexander Ludwig, “Rouba a Cena no Cinema” para Liam Hemsworth além de Choice Book e Choice Movie para Jogos Vorazes. Alguém duvida quem vai dominar completamente depois que a saga Crepúsculo acabar?

Glee levou 3 pranchas e a diva Emma Stone levou 2 mesmo sem estar presente. Pretty Little Liars estava em peso com Shay Mitchell, Ashley Benson, Lucy Hale e até – acredite! – Troian Bellisario. Os maravilhosos Ian Harding, Keegan Allen e Tyler Blackburn também estavam lá e levaram a prancha de Drama de TV para casa.

Um prêmio sem-noção foi dado a Miranda Cosgrove por suas “ações de caridade” – o Acuvue Award, no entanto, não mostraram nenhuma ação da garota de iCarly.
Sem qualquer surpresa nos vencedores, sem apresentações que fizessem valer a pena correr no Youtube e assistir outra vez ou qualquer momento constrangedor das celebridades, o Teen Choice de 2012 é totalmente esquecível, mas fica aí o exemplo para que outras premiações não caiam na mesma situação.