Vai fazer o Enem? Então essa série de vídeos é pra você

Fiz o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, três vezes, nos meus três anos do Ensino Médio. No 1º ano, por pura experiência e curiosidade (passei no curso que eu queria, mas eu tinha 15 anos, era nova demais para a faculdade). No 2º, já com aquela ponta de esperança de que, quem sabe, poderia passar de novo e entrar na faculdade antes de terminar o Ensino Médio. Foi o que aconteceu.

Não consegui me matricular na faculdade que queria (Federal do Ceará) porque estava me recuperando de uma cirurgia na coluna e não podia sair de casa para fazer as provas do supletivo. O sonho teve que aguardar mais seis meses. A UFC não abriu vagas no meio do ano, então acabei me matriculando na Federal do Rio Grande do Norte, aqui em Natal. Mesmo já estando na faculdade, fiz o Enem daquele ano também -afinal, eu já tinha pago a inscrição e gosto do formato da prova.

Resolvi aproveitar essa minha experiência com a prova para tentar passar algumas dicas pra vocês que acompanham o blog e o canal no Youtube. Não me segue lá ainda? Está esperando o quê? É só clicar aqui. Você já pode assistir três vídeos sobre livros que geralmente são citados na prova: Memórias Póstumas de Brás Cubas, O Cortiço e O Quinze. Neles, relaciono as histórias com fatos da atualidade – a especialidade do nosso querido exame. Tem também um vídeo especial falando sobre apps e sites que vocês podem usar para estudar pra prova.

Tá esperando o quê? Vai lá, se inscreva no canal, assista os vídeos e me diga o que achou, hein?

Advertisements

Você precisa ouvir Illuminate, novo álbum do Shawn Mendes

shawn-mendes-illuminate-2016Quem é Shawn Mendes? Onde vive? De que se alimenta? Porque tem sobrenome brasileiro e nome de americano? Sinto informar que ele não é nem daqui nem dos EUA. Shawn é um canadense de 18 anos, filho de pai português e mãe inglesa. Que confusão, hein? Mas te garanto: o resultado dessa mistura é incrível. Illuminate é o sucessor do Handwritten, primeiro álbum de Shawn que o colocou direto no topo da Billboard e fez com que ele se tornasse o mais jovem a conseguir tal feito. Se você está o conhecendo agora, olha só que coisa maravilhosa: você vai ter DOIS ÁLBUNS NOVINHOS pra ouvir.

Ah, e aqui vai uma curiosidade: a carreira dele começou no Vine. Isso mesmo, no Vine. Os vídeos de seis segundos de Shawn cantando fizeram tanto sucesso que ele foi do aplicativo direto pra uma grande gravadora, entrando no clube de artistas descobertos na Internet como o também canadense Justin Bieber, o youtuber Troye Sivan e Alessia Cara.

O tema desse post é o Illuminate, mas aqui vão minhas dicas do Handwritten: Aftertaste, Life Of The Party, Something Big e A Little Too Much. O grande sucesso desse álbum você já deve ter ouvido nas rádios, Stitches. Também há uma grande chance de você já ter ouvido outra música dele, I Know What You Did Last Summer, em parceria com Camila Cabello (Fifth Harmony).

Illuminate é um compilado de músicas de sofrência, amor e muita, muita sofrência mesmo (já falei que é um álbum sobre sofrência?) Se você já estiver familiarizada com as músicas do John Mayer e/ou Ed Sheeran, com certeza vai ouvir um tantinho da influência dos dois nas músicas. Até agora, o álbum teve dois singles: Treat You Better e Mercy, que já ganharam clipes clássicos do Shawn Mendes, com ele quase morrendo de alguma forma (ai meu coração!). Minhas favoritas no álbum – além dos dois singles – são Don’t Be a Fool (eu me sinto num baile de formatura de escola americana ouvindo essa música. Só falta o boy), Lights On e Understand.

Você pode ouvir o Illuminate no Spotify, clicando aqui. Me conta aqui embaixo o que achou, vai?

4 duetos improváveis entre astros da música nas últimas semanas

640_taylor_swift_mick_jagger_Getty490202288O post de hoje poderia ser definido por uma palavra: SURTO. Se você gosta de algum dos cantores que aparecerão aqui embaixo (ou de todos eles, como eu), com certeza vai surtar bastante. Nas últimas semanas, várias pessoas legais do mundo da música resolveram se unir em duetos emocionantes e destruidores. O primeiro deles foi mais um dueto maravilhoso da 1989 World Tour, que aconteceu quando ninguém mais ninguém menos que Mick Jagger (!!!) surgiu no palco da turnê para cantar Satisfaction com a Taylor Swift.  Olha só:

ed-sheeran-and-chris-martin-foxboroughAí o Chris Martin resolveu zerar a vida e em menos de uma semana fez dois duetos emocionantes que vocês conferem a seguir. O primeiro deles foi com o Ed Sheeran, num show do ruivo em Boston. Chris subiu ao palco para cantar Yellow com Ed, numa clara tentativa de não deixar ninguém sair do estádio sem derramar umas 500 lágrimas por minuto. Confere aí:

B4psG_SCQAEy-OM

downloadDepois o Chris chamou a Ariana Grande para cantar “Just a Little Bit Of Your Heart”, do álbum mais recente dela, no festival Global Citizen em Londres. A música foi escrita por (palavras do próprio Martin) Harry Styles, “o homem mais bonito do mundo”. A gente finge que não concorda com ele para tentar ser imparcial, né? O dueto ficou lindo:

imagesMas voltando ao Ed, vocês lembram de um cover maravilhoso que ele fez de Drunk In Love da Beyoncé? Então… Queen B o convidou ao palco para cantar com ela e o resultado foi de tirar o fôlego! Está no repeat há dias, viu?

Resenha + Playlist: “Meu Romeu”, de Leisa Rayven

CAPA-Meu-RomeuQuando ganhei esse livro no sorteio que rolou no encontro da Globo Alt durante a Bienal do Rio, confesso que olhei meio “torto”. Provavelmente pelo trauma do último new adult que eu li: “After”, da Anna Todd. Aí eu tive uma semana de leituras difíceis, todas relacionadas ao conteúdo da faculdade. Foi então que decidi: nesse final de semana quero ler algo que me desafie. O resultado? Não fiz mais nada da minha vida até terminar de ler “Meu Romeu” (e a sequência, “Minha Julieta”, também!). Resolvi postar a resenha do segundo livro só quando ele estiver prestes a ganhar as estantes no Brasil, o que vai acontecer em Novembro. Por enquanto, deixo vocês com as minhas impressões de “Meu Romeu” e uma playlist especial com músicas que me lembram bastante os personagens e a história do livro. Espero que gostem!

“Meu Romeu”, escrito pela australiana Leisa Rayven, é o primeiro de dois livros que formam a série Starcrossed. A história gira em torno de Cassie Taylor e Ethan Holt, dois jovens atores que se conhecem nas audições para entrar na melhor faculdade de teatro do país. Em um dado momento, eles precisam fazer um exercício em dupla e a conexão entre os dois se torna visível. Bem, pelo menos no palco. Ethan não é uma pessoa muito fácil ou amigável e acaba despertando a ira de Cassie. É só quando os dois conseguem entrar para a faculdade e são escalados para interpretar Romeu e Julieta em uma peça que eles são forçados a admitir que o que sentem vai muito além de uma mera química no palco.

Os capítulos se revezam entre o começo do relacionamento dos dois e os momentos atuais, seis anos depois de entrarem na faculdade e se apaixonado, seis anos depois de Ethan ter destruído o coração de Cassie. A expectativa para descobrir o que ele fez exatamente vai crescendo a cada capítulo e você vai sofrendo junto aos personagens. Broadway. Não importava o fato de ter que dividir o palco com o cara que ela mais amou na vida e que infelizmente também era o cara que mais a tinha feito sofrer em toda a sua existência.

Bem, pelo menos ela tentou não dar muita importância a isso, mas a bagagem que Ethan traz com ele é impossível de se ignorar. Ele foi o primeiro e único amor de Cassie e deixou marcas bem difíceis de apagar. A relação dos dois nunca passou muito tempo em águas calmas, mas foi forte enquanto durou – e muito depois também. Quando os dois finalmente perceberam que a atração entre eles não poderia ser ignorada, tudo começou a desandar. Cassie esperava um relacionamento, companheirismo, um namoro de verdade. Ethan tinha problemas demais decorrentes do passado para dar a isso a ela. Isso o destruía. O medo de machucá-la e decepcioná-la o corroía.

– Então o que eu sou, hein? Me diz de uma vez! Abra essa boca e diga algo que me faça entender o que você sente! Acho que fui bem honesta com você sobre o que eu quero, mas tudo o que ganho em troca é o que você não quer.

-Quer saber o que eu quero? – ele diz, jogando a mochila no chão. – Ótimo. Quero isso.

Ele agarra meu rosto e me puxa para ele.  (Página 307)

Cassie não conseguia entender o que impedia que Ethan se entregasse, uma vez que a conexão entre os dois era mais que óbvia. Ela não desiste dele e, aos poucos, vai conseguindo adentrar algumas camadas da barreira que ele colocou em volta de si. O problema é que, apesar de conseguir passar por elas, Cassie não conseguiu derrubá-las. Os fantasmas do passado dele sempre voltavam.

– De repente, fazia sentido haver algo de errado comigo. Como se eu fosse um impostor na minha própria vida. E isso me deixou irritado pra caralho, porque eu imaginei “por que me importar?”. Sabe? Por que continuar fingindo? Nem sou filho ou irmão verdadeiro. Não sou nada real. Talvez por isso eu seja um bom ator. Todo personagem que interpreto é mais real do que eu. (Página 343)

Uma das coisas mais interessantes sobre a história é a maneira com que a autora consegue mesclar o que acontece com o casal e as histórias que eles estão interpretando em sala de aula. É como se em alguns momentos as máscaras não existissem e o palco fosse um momento de libertação, o local certo para expressar tudo o que precisavam.

Os fantasmas permanentes de Ethan o paralisaram e fizeram com que ele acabasse com toda e qualquer chance de continuar o namoro com Cassie. A distância emocional se torna distância física e Cassie não tem outra escolha a não ser seguir com a vida. Ou o que quer que isso significasse sem Ethan. É justamente quando ele volta, seis anos depois, que ela tem que aprender a lidar com os próprios fantasmas. Aqueles que Ethan acabou deixando com ela. Valeria a pena esquecê-los e dar uma nova chance ao amor da sua vida? Mesmo com aquele risco iminente de sempre de que ele poderia abandoná-la novamente?

Isso aí vocês só vão descobrir lendo “Meu Romeu”, mas enquanto não compram o livro, podem aproveitar essa playlist especial que montei com algumas músicas que me lembram da história de Cassie e Ethan. Me contem se vocês gostaram, tá?

meu romeu

Para “Meu Romeu”, de Leisa Rayven, dou 4 baldes de pipoca.

etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512

Resenha: O Lado Feio do Amor – Colleen Hoover

oladofeioSinopse: Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo… apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor.

O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

Essa é uma história de amor diferente, passa longe da típica história romântica que estamos acostumados a ler. Geralmente, os protagonistas se apaixonam e vão construindo uma relação de amor ao longo do livro, certo? Nessa história, um dos protagonistas sequer sabe que pode amar. Ele já amou, e muito. Amou mais do que imaginava possível. Viveu uma paixão proibida, avassaladora, que mudou a sua vida e a sua relação com a família. Mas isso acabou de forma trágica. Tão trágica que Miles Archer se tornou incapaz de amar novamente.

Seis anos depois de um evento que deixou sua vida de pernas pro ar, Miles Archer é um dos pilotos mais competentes da companhia aérea onde trabalha, ainda é amigo do seu melhor amigo de infância e passa as noites de quinta-feira jogando com ele e seu vizinho, que também é piloto, Corbin. Para esquecer os problemas em terra firme, Miles prefere voar. Voar por horas a fio, voar sem parar, sem deixar tempo algum para um relacionamento amoroso. Mas por qual motivo um rapaz novo, bonito, inteligente, com uma carreira promissora, não consegue se envolver com alguém? Vamos conhecer a razão de tudo isso em capítulos alternados, quando um é narrado pelo Miles de seis anos antes e o outro é narrado pelo verdadeiro furacão que vai atingir sua vida simples, Tate Collins.

Tate é uma jovem enfermeira que se muda para São Francisco para fazer um tão sonhado mestrado. Até conseguir se organizar financeiramente, Tate resolve morar com o irmão, Corbin, um cara super protetor que era o terror de todos os namorados de Tate na escola. Ao entrar no prédio pela primeira vez, Tate conhece Cap, um senhor de 80 anos que trabalhou como zelador a vida inteira e simplesmente não consegue abandonar o ofício. Ela vai desenvolver uma amizade fofa com ele que vai arrancar boas risadas e reflexões dos leitores. Ao chegar na porta do apartamento, Tate é surpreendida ao ver alguém deitado próximo a porta do irmão. Alguém que está bastante bêbado e, por isso, a assusta bastante. Mal sabia ela que aquele encontro ia levar a sua vida para uma direção completamente diferente da que imaginava. O cara é Miles Archer.

Há algo de intrigante em Miles Archer que tira o juízo de Tate. Há algo por trás daquela postura forte, daquela armadura impenetrável, que ela deseja conhecer. Mas ele não cede. Bem, até embarcar em uma viagem para a casa dos pais de Tate e Corbin na comemoração do Dia de Ação de Graças. É lá que Tate descobre que a atração que sente por Miles é mútua e onde todo o acordo começa. Todas as regras.

Sem contar a Corbin, os dois começam a se encontrar sempre que Miles está em casa. As faíscas entre eles são altamente explosivas. Quando os dois estão juntos, é como se o mundo não existisse, apenas aquele apartamento e aquelas duas pessoas. Eles não conseguem esconder um do outro o quanto gostam de fazer o que estão fazendo, mas Miles não dá esperança alguma de que aquilo possa evoluir para algo mais sério, o que intriga Tate ainda mais. Em alguns momentos, ela se sente mal, humilhada por estar num “relacionamento” sem expectativa alguma, sem carinho, sem conversa. Mas há algo em Miles que Tate não desiste de desvendar.

Tate. – sussurra. – Sei que vou me arrepender de dizer isso, mas quero que escute. – Ele afasta-se o suficiente para que seus lábios encostem no meu cabelo e me abraça com força mais uma vez. – Se fosse capaz de amar alguém… esse alguém seria você.  Página 263

É essa insistência que vai tirá-lo de uma zona de conforto, de uma verdadeira bolha onde se escondia por seis anos. É a alegria que conviver com Tate trouxe para a sua vida que vai fazê-lo questionar tudo e revisitar as memórias para tentar entender como ele deixou de ser capaz de sentir. A história é uma verdadeira jornada em busca da vida e do merecimento de um sentimento tão essencial como o amor.

Tate. – Ele está de frente para a porta, e não se vira para terminar a frase. – Às vezes, o espírito de um homem simplesmente não é forte o suficiente para aguentar os fantasmas do passado. – Cap abre a porta do apartamento e entra. – Talvez aquele garoto tenha apenas perdido o espírito no meio do caminho.  – Página 235

A escrita de Colleen é rápida, fluida e vai te fazer querer devorar o livro (abdicando até do sono sagrado, prepare-se!). Além disso, ela faz parte de um grupo de novas autoras que está inovando na maneira de escrever. Esqueça os parágrafos justificados, construídos milimetricamente. Colleen brinca com as letras, com os significados das palavras e as formas. Eu arriscaria dizer que ela flerta com os poemas concretos, principalmente com o movimento das letras nas páginas.

Para “O Lado Feio do Amor”, de Colleen Hoover, publicado no Brasil pela Galera Record, dou cinco baldes de pipoca. etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512etiqueta_do_saco_da_pipoca_dos_desenhos_animados_autocolante-r9e10f8a2bfe640d4a382334587bd1253_v9waf_8byvr_512

Lançamento de “Minha Vida Fora de Série 3” em Natal + Vídeo

Olá bookaholics! O post de hoje é mega especial. Ontem, dia 05, a Paula Pimenta esteve aqui em Natal para lançar a terceira temporada de “Minha Vida Fora de Série”, a história da Priscila, uma garota ruiva extrovertida, viciada em seriados e defensora dos animais. Eu ainda não li o livro, mas se os dois primeiros servirem de exemplo, tenho certeza que MVFS3 vai ser ótimo!

Mais de 400 leitores estiveram no Natal Shopping na tarde de Domingo e participaram de um bate-papo com a autora. Entre as respostas mais legais da Paula está a de que muitos garotos têm preconceito em relação aos livros narrados por meninas, mas o contrário não acontece. Quantas de nós lemos Percy Jackson, por exemplo? Muitas! Sobre o filme de “Fazendo Meu Filme”, a Paula contou que a previsão de lançamento é para o ano que vem, mas não há elenco definido ainda. Quando a pergunta foi qual personagem, entre Fani e Priscila, a Paula gostava mais, ela disse que se sentia como se tivesse que escolher entre um filho, que é super difícil dizer, mas tem mais características dela na Fani, então, por isso, ela provavelmente se identifica mais com a cineasta.

Durante o bate-papo, que rolou em uma sala de cinema, Paula cantou “Qualquer Clichê”, uma música autoral, com um grupo de fãs. Logo depois, ela começou a sessão de autógrafos na Livraria Leitura. Apesar de ter chegado cedo, como deixei pra comprar o livro na hora, acabei ficando com a senha 88, mas acabou passando super rápido e logo me vi bem de pertinho dela novamente. Pura emoção! Pude contar ao vivo e a cores que estou finalizando o meu livro e que ela está na dedicatória. Foi tão bom ver o sorriso sincero dela, feliz por mim! Pena que foi tudo muito rápido, mas ainda tinha muita gente esperando, então tinha que ser assim mesmo.

Gravei alguns vídeos e depois que minha câmera descarregou pedi que Kamila (minha amiga maravilhosa que conheci através do amor pelos livros da Paula) filmasse alguns momentos também. Editei tudo e vocês podem acompanhar um pouco do meu dia emocionante agora 🙂

John Green e Nat Wolff no Brasil + Concurso do “Fantástico”

Olá Bookaholics! Vocês devem saber que o John Green e o Nat Wolff estiveram no Brasil durante a semana passada para promover “Cidades de Papel”, certo? Os dois visitaram o Cristo Redentor, tomaram banho no mar carioca e de quebra, o John Green ainda passeou de helicóptero e gravou participação em “Malhação”. Esta não foi a única coisa que ele fez com a Rede Globo, o John foi entrevistado pela Poliana Abritta e 3 fãs sortudos que venceram um concurso lançado no final de semana passado pelo programa.

BOM DIA BRASIL!!

A post shared by John Green (@johngreenwritesbooks) on

Era basicamente o seguinte: você tinha que mandar um vídeo de no máximo 1 minuto contando porque merecia entrevistar o John Green. Se você costuma acompanhar o Livro & Pipoca, sabe que o John Green é um dos meus autores favoritos e pessoas preferidas no mundo inteiro, então é claro que paguei um mico básico e enviei vídeo também! Infelizmente não fui selecionada (ou não estaria viva para contar sobre isso a vocês haha), mas resolvi fazer o upload do vídeo no Youtube e postá-lo aqui para que vocês vejam. Me diverti muito produzindo esse vídeo tão curtinho, mas tão trabalhoso. Minha amiga Laryssa Aguiar foi um anjo e me ajudou com a edição (o prazo era super curto e eu estava mega atarefada), então deixo aqui o meu muito obrigada, Lary! É tão bom saber que tenho amigos que apoiam esses meus sonhos loucos, viu?

Enfim, esse foi o meu vídeo, espero que vocês gostem! Resolvi fazer uma releitura dos dois trailers oficiais de “Cidades de Papel” usando bonecos e… adivinhem… papel! (risos) Me contem aqui embaixo o que vocês acharam, tá?

Confira mais fotos dos dias de John Green e Nat Wolff no Brasil:

Portrait of the author before helicopter embarkation. #papertowns #brasil

A post shared by John Green (@johngreenwritesbooks) on

Brazil!

A post shared by Nat & Alex Wolff (@natandalex) on

Começou a coletiva de imprensa com John Green e Nat Wolff. #cidadesdepapel #johngreen

A post shared by Intrínseca (@intrinseca) on

@johngreenwritesbooks veio fazer uma visita em malhação! Uma honra! Obrigado!

A post shared by Rafael Vitti (@rafaavitti) on